quinta-feira, 2 de outubro de 2014

quase sempre
morria de medo
mas fingia que não
quase sempre
morria de amor
mas fingia que não
quase sempre
morria de tudo
mas era bom em fingir 
talvez a vida fosse isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário